Aprender sobre liberdade com Jesus
Aprender sobre liberdade com Jesus
29 de novembro de 2012
A calha, o entulho e a chuva
A calha, o entulho e a chuva
8 de dezembro de 2012
Exibir tudo

Caindo da Graça

Caindo da Graça

É interessante como o tema “cair da graça” no senso comum em meio a Igreja está ligado com PECADO, ou melhor, ainda dizendo, “cair em pecado” ou “viver em pecado”. De certa forma é correto o pensamento, mas quando se afirma, em senso comum, isso, não está ligado ao fato de que na Bíblia, principalmente pensando em Paulo, há uma instrução específica para o “cair da graça”.

Para Paulo, “cair da graça” significa viver mediante LEGALISMO, ou seja, voltar à prática de coisas que requer esforço pessoal, justiça própria e “sacrifícios de obediência” para obter a “presença de Deus” ou mesmo uma melhoria na “vida espiritual”.

Paulo aos Gálatas

Vou tentar exemplificar de maneira prática. Paulo argumenta em Gálatas o seguinte:

Vocês que querem que Deus os aceite porque obedecem à lei estão separados de Cristo e não têm a graça de Deus (Gálatas 5.4).

Deus não nos aceita porque OBEDECEMOS, mas o OBEDECEMOS porque fomos aceitos por ele. Deus não nos aceita porque sacrificamos ao entregar ofertas vultosas e então nos abençoa como recompensa por nossos atos. Deus não nos aceita porque sacrificamos em jejum mortificando nossa carne, nossa carne é mortificada pelo Espírito dele a partir do momento em que nos aceitou em Cristo. Deus não nos aceita por causa de nossos esforços em não pecar diariamente contra ele, conseguimos não pecar diariamente contra ele porque ele nos aceitou e colocou em nós o Espírito Santo que nos santifica e nos faz crescer em fruto dele mesmo.

Esforço

Tentar ser justo diante de Deus por causa de coisas que fazemos (ou não fazemos) é se desligar de Cristo e da sua graça. Tentar com esforço pessoal alçar voo e ser mais santo por causa de orações, leitura da Bíblia, jejuns, sacrifícios pessoais, preços pagos por situações é cair da graça de Cristo, é voltar a prática do legalismo que afundou Israel em sua justiça própria e que acabaram por perder de vez a possibilidade de continuar sendo usados por Deus para abençoar todas as famílias da terra na prática de uma evangelização que tem a ver com Cristo. Hoje esse papel não é mais de Israel, mas da Igreja.

Religiosidade

A vida de religiosidade, seguida de atos de bondade, ou mesmo esforço pessoal na santificação, ou ainda nos sacrifícios que fazemos pagando “o preço” por determinadas situações são atos contrários à graça de Deus, que nos fazem entender que nós é que nos mantemos santos e justos através de nossa obediência.

Quando vejo alguém que se esforça grandemente para ser santo, usa de todos os recursos que tem à mão, como sacrifícios pessoais, jejuns, muito tempo em oração, leitura da Bíblia como forma de obter santificação e “unção” ao mesmo tempo em que recrimina quem, por exemplo, caiu em algum pecado destes condenáveis e que jogam a reputação de quem os comete na lama, olhando para estas pessoas (esse que se esforça) e dizendo que esses (que pecaram) estão decaídos da graça, fico realmente consternado e me lembro de como Paulo severamente nos exorta que cair da graça não é PECAR (algum deslize pessoal, erro do alvo, ou não fazer a vontade de Deus em determinada situação – pecadores todos são e aqueles que se dizem sem pecado ou atirem a primeira pedra ou se atirem na graça de Deus, são mentirosos), mas este que julga que pelo seu esforço pessoal é “melhor” que esse outro que é um miserável e desgraçado pecado é que é o verdadeiro caído da graça de Deus.

Abismos de justiça própria

Desta forma nos afundamos em nossos abismos de justiça própria e entramos novamente na escravidão da lei e do pecado, tentando trazer a lei do Antigo Testamento de novo para nossas vidas, anulando o sacrifício e o cumprimento desta lei em Cristo.

Essa não é a vontade de Deus para conosco. Ele nos deu vida para conhecermos a Jesus e obtermos a liberdade da vida na graça dele.

Nenhum esforço seu ou meu vai fazer com que Deus nos aceite ou nos ame – ele nos ama e nos aceita baseado no sacrifício de Cristo, na sua graça, na sua vontade soberana.

Não caia da graça de Deus, não volte à prática de um legalismo que é pura tradição humana e esforço próprio, justiça própria. Confie na justiça de Deus em Cristo e renda-se a ele de tal forma que essa graça que nos salvou seja também a mesma que nos santifica.