Caindo da Graça
Caindo da Graça
4 de dezembro de 2012
O Nascimento do Prazer
O Nascimento do Prazer
9 de dezembro de 2012
Exibir tudo

A calha, o entulho e a chuva

A calha, o entulho e a chuva

Ações naturais e sem muito estardalhaço acabam por impedir outras ações que também são esperadas e naturais e o tempo vai passando e não somos mais ‘abençoados’ pelo fluir normal da vida – às vezes é preciso pensar em a calha, o entulho e a chuva.

Fiquei pensando no telhado, na calha que há aqui na minha casa que ‘escorre’ a água que cai da chuva.

Existem algumas árvores por perto e com o tempo, naturalmente, as folhas secas foram levadas pelo vento ao cair destas árvores. Algumas foram para o chão, outras, no entanto, ‘voaram’ e se depositaram na abertura da calha do telhado. Foi uma só, depois outras.

O tempo foi passando. Houve mais vento, mais folhas secas e mais algumas foram ali depositadas.

Não há nada de ‘sobrenatural’ nisso, nem de errado em si. O vento sopra. As folhas secam. A calha está aberta. Nada de errado com isso. Nem o conjunto das coisas é em si mesmo errado.

Mas acontecem…

O tempo foi passando e o acúmulo de folhas levadas pelo vento na calha acabou por entupir. A chuva então vem e não tem por onde ‘fluir’. Acumula, faz uma poça de água que acaba por infiltrar nas telhas, descendo para o teto e ‘pinga’ dentro de casa, estragando o concreto, a laje do teto e dando mofo, fungos e muitas outras coisas.

É interessante como atitudes e situações reais e não erradas em si podem acumular na vida da gente, impedindo o ‘fluir’ da água da vida.

Situações que ‘ocupam’ o espaço que deveria ser um espaço vazio para passar certas emoções, sensações ou mesmo algum choro sincero, mas acabam por ficar ‘seguras’ pelo acúmulo de ‘sujeira’ produzida por situações extremamente normais na vida.

Acabam por passar despercebidas, pois não são erro em si, então não corremos lá para consertar, mas acabam por acumular em nós sujeira e essa sujeira impede o fluir da vida por aquela via especificamente.

É hora de fazer uma ‘faxina’ na calha, retirar as folhas, saber que elas foram depositadas ali normalmente, sem nenhuma pretensão, mas que aquele não é o lugar dela. Fazer a faxina na calha, retirar toda a sujeira acumulada e também refazer o estrago que isso fez, consertando o teto, as telhas, retirando os fungos e mofo.

Que tal olhar um pouco para sua vida e ver onde estão as calhas que se entupiram por ações normais do dia a dia e fazer ali uma limpeza profunda?

Verá, a vida fluirá com mais leveza e normalidade.

Vamos?!